segunda-feira, novembro 25, 2013

0

Dettifoss - a mais poderosa queda de água da europa


Dettifoss, Islândia
A água é uma constante na paisagem islandesa. A sua pureza é alardeada com presunçoso orgulho pelos seus habitantes, num país onde praticamente não se compra esse liquido engarrafado. Na Islândia enche-se a garrafa com agua da torneira e se estamos em viagem, nos rios ou nascentes. Se vemos alguém de guarda chuva ou a comprar agua engarrafada nos supermercados, cheira a turista ou visitante ocasional.

Existem milhares de quedas de água por toda a Islândia, sendo uma das suas principais atrações. Quando estou com os grupos na estrada, divido sempre os rios em 2 grupos: os rios de nascente e os rios glaciares (de geleira). Os rios de nascente tem a cor mais azulada e são translúcidos. São também mais caudalosos no Inverno, como acontece, por exemplo, em Portugal e no Brasil. Os rios glaciares (de geleira) tem uma cor acastanhada (barrenta), devido ao "polimento" e consequente libertação de areias e detritos, originado pelo avanço e recuo dos glaciares (geleiras). O seu caudal é maior durante o verão, devido ao maior degelo provocado pelas temperaturas mais altas. É o caso de Dettifoss.
Dettifoss, Islândia
Dettifoss é considerada a mais caudalosa e poderosa queda de água da europa. Localiza-se dentro dos limites de um Parque Nacional, onde se encontra Vatnajökull o maior glaciar (geleira) da europa. Num dos limites do glaciar, nasce o rio Jökulsá á Fjöllum (traduzido: rio glaciar das montanhas), que se dirige de sul para norte da ilha, até desaguar no oceano glacial ártico (ou atlântico norte).  Ao longo dos séculos, o glaciar tem avançado e recuado. Depois da ultima glaciação o seu recuo cavou um canyon e originou esta imensa queda de água - Dettifoss. Com os seus 100 m de largura e 45 m de altura tem um caudal médio de aprox. 190 m³/s, mas durante o verão pode deixar cair muito mais de 200 m³/s.
Dettifoss fica no planalto central islandês, envolta em pedra, pó e areia. O ano passado foi alcatroado o acesso o oeste pelo sul. Mas a melhor vista continua a ser pelo lado leste, onde a estrada continua a ser em terra batida, "gravilhada" aqui e acolá.  Apesar do pó vale a pena a viagem. Pela queda de água em si, pelas colunas basálticas e formações rochosas do canyon e por toda a envolvência inóspita, por vezes lunar, que nos pode remeter ao imaginário de uma busca a um qualquer "pueblo" mexicano perdido, algures no tempo e no espaço.

 Autor: Ivo Gabriel, Guia PLV por Terras do Gelo e do Fogo

Sem comentários:

Enviar um comentário

Deixe aqui o seu comentário!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...